quinta-feira, 31 de março de 2011

FANTASIA

Você apareceu de um súbito desejo
Um sonho real de noites repetidas
Surgiu de um grito, um lampejo.
De vez aterrissou em minha vida.

Você foi posse, amor, deslumbramento,
Tudo o que eu quis em frêmitos desejos.
Na doce entrega dos nossos momentos,
Me derramei nos seus molhados beijos.

Você foi meu, minha ilusão querida,
O sol, o céu, meu respirar, a vida.
Pra terminar num adeus que ficou mudo

Se hoje não és mais nada é só porque
Nunca fui nem um dia para você
O que você foi pra mim, tudo, tudo.
 (Ilhéus – Bahia. 1968)

segunda-feira, 14 de março de 2011

“Fi-lo porque qui-lo”




Filosofei demais na minha vida.
“Fi-lo porque qui-lo” não culpo a ninguém
Minh’alma foi sempre assim comtemplativa,
Gnóstica, Inquieta, reflexiva...
Meus pensamentos viajaram além.


Conheci a insônia muito cedo
Carregada de fantasmas e de medos
Que só apavoravam a mim.
Somente a mim.


Viajante compulsiva
Transpus o espaço-tempo
Sem naves espaciais
Nem cintos de segurança

Balancei em toscas redes,
Revirei meus travesseiros
E em noites de lua cheia
Vendo o mar tecer a areia,
Quanta bobagem eu pensei...
Só eu sei, somente eu sei.

Minha infância foi cheia de por quês.
Na juventude, nada pude afirmar.
Hoje, na idade das negações...
Quem disse que vou negar
Validar ou invalidar contradições?

Insônia? É mal congênito da mente.
Vou continuar refletindo, perguntando...
Só Deus sabe  porque e até quando,
Planarei no futuro em busca do presente.
               Rio, 13/03/2011

domingo, 6 de março de 2011

CINCO DE SETEMBRO – Helder e Graciela (BODAS DE FLORES)



       Que o amor floresça como o trigo, 
     Que haja fartura de pão e carinho.
     Que o abraço seja o eterno abrigo
     Por toda a vida, enlaçados ao ninho.
   
     Que os filhos à mesa compartilhem o pão.
     Dividam a paz de um lar ditoso.
     No forte exemplo desta união,
     A segurança de um crescer brioso.
    
     Amem-se cada dia mais e mais,
     Multipliquem amor numa equação
     Onde o produto seja sempre igual.

     Mês de setembro, lembrarão demais
     Eterna primavera desta união
     Dourada, como sol beija o trigal.
                                      Jailda Galvão Aires/2011/13

TEU NOME NA AREIA
























Escrevi o teu nome mil vezes na areia.
De dia, de noite até me cansar
Um céu de estrelas, eu fiz do teu nome
Azul, todo azul no espelho do mar

Rasguei os meus versos, desfiz meus poemas
Deixei que apagasse o teu nome da areia
As ondas molharam o meu corpo sem pena
O teu rosto, porém eu não pude apagar.
Ilhéus, 1968







sábado, 5 de março de 2011

Salmo I (versão)

Feliz todo aquele que segue
Os caminhos da justiça
Não ouve conselhos maldosos
De conspiradores ociosos

Cumpre a doutrina do Senhor
Onde encontra entusiasmo e vigor.
Será forte e bendito na terra,
E tudo o que realiza prospera,
Sua oração tem cheiro afável e bom
Espalha no ar o Aroma de Saron.


Como a árvore finca suas raízes
Junto à água onde nutre seiva e mel.
É verde a sua folhagem
E doces os seus frutos
Puras bênçãos recebidas do céu.

Mas os ímpios, palhas ao vento,
Não farão parte na colheita de Deus
Impuros são seus atos e pensamentos.
Por isso expiarão ao peso da sentença.
Mas o justo terá o céu por recompensa.
            Rio 27.08.2010