sexta-feira, 25 de agosto de 2017

NÃO ROUBES O MEU SER


Pensas tu que embalas os meus sonhos
Que os torna risonhos e assim me acalma?
Seca meus olhos, sorri os meus risos,
Anseias com isso reter a
minh'alma?!
 

Enganas querido. É livre o amor
Não és meu gestor. Sou livre também.
Imaginas que assim me conquistas?

É um ponto de vista, errado porém.

Aprendes que o amor verdadeiro
 

É sempre o primeiro a nos libertar.
Aquele que ama jamais escraviza.
Porque a divisa só faz limitar.
 


Se fracionas um só dos meus planos
Terás só enganos, pedaços de mim.
Se me queres inteira não me fragmente.
E assim tão somente serei tua em fim.

Para saber que te venero e te amo,
Não banques meu dono, eu quero ser eu.
Sendo assim, te serei a todo instante

Mulher e amante na terra e no céu.
Rio. 18/03/2010

TROVA - MEUPAI



A tua ausência, meu pai,

É dor constante que dói

É falta que não se esvai

É saudade que corrói.

Jailda Galvão Aires

sábado, 19 de agosto de 2017

CONVERSANDO COM DRUMMONT



-Fala meu mestre Drummond:
-“Mundo mundo vasto mundo,
Se eu me chamasse Raimundo
Seria uma rima, não seria uma solução.
Mundo mundo vasto mundo,
mais vasto é meu coração.” Drummond. 

-Vida vida longa vida
Sendo meu nome Jailda
Sou uma pobre rima sem nenhuma solução.
Vida vida longa vida,
Minha vida é uma equação 

Carlos Drummond, veja bem:
O nome não faz ninguém
Nem o homem ou a mulher
Se eu me chamasse Tereza
Não saciaria a tristeza
Dos que não sabem viver 

Sendo teu nome Trindade
-A cruel desigualdade,
Que mina o nosso Brasil,
Terias as mãos sulcadas
No sangue da Pátria Amada
Ferida por um covil.

Se eu me chamasse Celeste
Não mudaria o nordeste
A grande “Indústria da Fome.”
Onde o dinheiro é roubado
Por um grupo  articulado
Para eleger mais um nome  

Fosse o teu nome Eugênio
Serias o que foste - um gênio
Na expressão do saber.
Mas num país de corriolas

Não construirias escolas
Querer nem sempre é “poder”? 

Se eu me chamasse Clarissa
Não mudaria a justiça
E nem a Constituição
Só tem cobra e lagarto
Farinha do mesmo "parto"
Chamada corrupção. 

Por isso meu velho amigo,
Beba este trago  comigo
Desce num lindo corcel
Traz um punhado de verso
Enriquece o universo!
Voltas depois para o céu
    Jailda Galvão Aires - em 29/09/2013